PREVI

Notícias e Publicações

Notícias

04/12/2017

Por que os aposentados do Plano 1 contribuem

Valor permitiu reduzir desembolso mensal e viabilizar o plano.

Os aposentados da Previ fazem contribuições mensais e anuais correspondentes a 4,8%. As mensais incidem sobre a complementação de aposentadoria e as anuais são devidas quando do pagamento do 13º do complemento. Os aposentados autopatrocinados contribuem com 9,6%, pois correm por sua conta também a parte que caberia ao patrocinador.


Você pode se perguntar: por que os aposentados continuam a contribuir se já recebem o benefício? Isso acontece porque quando a PREVI calcula os valores das contribuições necessárias para bancar os benefícios futuros, ela conta com o aporte dos aposentados e dos ativos e com a contribuição equivalente do Banco. Continuar a cobrar a contribuição dos aposentados foi a forma de diluir o custo no tempo, tornando o desembolso menos oneroso. Para que os aposentados não pagassem, o valor da contribuição durante o período na ativa deveria ter sido bem maior e pesaria muito mais no bolso todos os meses. Ou seja, se as contribuições ficassem limitadas ao período da vida ativa do participante, os valores das mensalidades seriam impraticáveis. Ao diluir no período do recebimento da aposentadoria a contribuição a ser feita, um valor que deveria ser pago em 30 anos passou a ser desembolsado por um período maior. Como consequência, os desembolsos mensais ficaram menores. Cabe salientar que hoje o total mensal das contribuições dos aposentados do Plano 1 é bem superior ao total dos participantes ativos, reflexo da quantidade de aposentados, lembrando que os ativos do Plano 1 em breve também estarão de aposentados.

Fluxo de Recursos

fluxo-contribuicao-beneficio.png

 

O que aconteceria se o aposentado não contribuísse

Se você fecha ou diminui o fluxo da torneira referente à contribuição dos aposentados, há três opções: aumentar a vazão das demais torneiras (na prática, elevar a contribuição dos ativos), reduzir o pagamento de benefícios ou deixar a água correr e se esgotar antes do tempo previsto.

Isso acontece porque a simples redução de despesas administrativas, já bastante controladas, não seria suficiente para compensar a perda. Além disso, com a queda das taxas de juros e com a maturidade do Plano 1, não se pode esperar uma rentabilidade tão elevada a ponto de o Plano poder abrir mão da contribuição dos aposentados.

O valor das contribuições de aposentados, ativos e do patrocinador é definido pelo Plano de Custeio e analisado anualmente por ocasião da reavaliação atuarial. Vale lembrar que o percentual de contribuição dos aposentados já foi bem maior e chegava a 10% em décadas passadas. O percentual cobrado atualmente foi um dos benefícios proporcionados pela distribuição do superávit, que permitiu a redução das contribuições em 40% em 2006 por meio da utilização de recursos da Reserva Especial, e foi contemplado no plano de custeio do regulamento do Plano 1.