Plano 1

Matérias

21/01/2016

Cuidados no uso do cartão de crédito

Especialistas recomendam realizar um controle rígido das despesas e evitar os juros rotativos

O cartão de crédito é a modalidade de pagamento mais utilizada por consumidores brasileiros na hora de parcelar uma compra. De acordo com um estudo feito para o portal “Meu Bolso Feliz”, uma iniciativa de Educação Financeira do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 83% dos entrevistados afirmam ter incorporado esse costume em seu dia a dia, sendo que quase um quarto (23%) dos consumidores ouvidos costuma fazer compras parceladas com o cartão ao menos uma vez por mês.

Para Roberto Costa Agi, planejador financeiro certificado pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiro (IBCPF), o cartão de crédito pode ser um grande aliado no planejamento financeiro pessoal, mas é preciso disciplina e maturidade para usá-lo. “Mais do que postergar o pagamento de suas compras, o cartão permite que você concentre todos os gastos em um único lugar. Para quem tem o costume de controlar as receitas e despesas mensalmente, fica mais fácil consultar a fatura do cartão e categorizar cada um dos lançamentos”, afirma.

Na opinião de Agi, o que pode causar um excesso de gastos é a falsa sensação de que não se está gastando dinheiro. “Ao mesmo tempo que sentimos prazer quando adquirimos um bem, pagar em dinheiro nos causa dor, já que temos que abrir mão de algo que era nosso – a compra através do cartão de crédito ameniza essa sensação de dor e é aí que, muitas vezes, aparece o descontrole”, ressalta.

Leandro Hirt Rassier, educador financeiro e sócio diretor da LHR Investimentos, acredita que, quando bem utilizado, o cartão de crédito só oferece benefícios. “Para quem paga o cartão em dia, só há pontos positivos. Com ele, não é preciso andar com dinheiro por aí, além disso, há os programas de pontuação e milhagens, que oferecem várias vantagens”, destaca.

Veja cinco dicas dos especialistas para utilizar o cartão de crédito como um aliado:

1. Organize o orçamento. De acordo com Agi e o educador financeiro Marcelo Moretta, para quem tem o costume de controlar as receitas e despesas mensalmente, fica mais fácil consultar a fatura do cartão e categorizar cada um dos lançamentos. “Se bem utilizado, o cartão consegue fornecer uma centralização de seus gastos, facilitando os controles necessários para efetuar um orçamento”, explica Moretta.

2. Mantenha um controle rígido dos gastos. “Um bom planejamento financeiro prevê uma estimativa dos seus gastos por categoria mês a mês e, no final ou no início de cada mês, você pode consultar a fatura do cartão e fazer a consolidação. Olhando item a item, você lança nas categorias específicas e verifica se o que gastou está dentro das metas estabelecidas. É por esse motivo que o cartão de crédito facilita o controle. Gastos com dinheiro, por exemplo, são muito difíceis de rastrear e por isso devem ser evitados”, sugere Agi.

3. Não comprometa mais do que 50% da renda com o cartão de crédito. “É importante deixar uma margem de segurança, pois há também os gastos que não podem ser pagos no cartão de crédito, como a educação, por exemplo”, pondera Rassier.

4. Evite pagar só o valor mínimo da fatura. Pagar o valor mínimo ou deixar de pagar a fatura gerará juros altos. “Um cartão que tenha juros de 12% ao mês, ao longo de um ano dá 290% de juros”, justifica Leandro. 

5. Caso não consiga pagar a fatura, pare. Agi alerta: “Se você não está conseguindo quitar a fatura completa do cartão, pare de usá-lo imediatamente. Se você tem uma reserva em algum investimento, use-a para quitar sua dívida. Reveja seu orçamento e analise a possibilidade de aumentar suas receitas ou reduzir despesas. Foque nas despesas relacionadas à estilo de vida, ou seja, aquelas que não são obrigatórias ou fixas. Um planejador financeiro pode auxiliá-lo nesse processo”. Se a pessoa não tiver nenhum dinheiro disponível, Moretta e Rassier indicam pegar um empréstimo com juros menores, como o consignado, empréstimo pessoal e o refinanciamento do automóvel.