PREVI Futuro

Matérias

18/02/2016

Economia começa em casa

Corte de pequenos gastos pode fazer grande diferença.

Quando as contas da família estão apertadas e há dificuldade na busca pela tranquilidade financeira, é natural que sejam cortados gastos supérfluos. Dependendo da intensidade do problema, os cortes podem ser, inclusive, mais drásticos. Entretanto, é possível melhorar a situação financeira ao tomar atitudes simples dentro da própria casa sem deixar cair a qualidade de vida.

A psicóloga e educadora financeira Dayane Godinho afirma que o principal segredo para manter o orçamento familiar em dia é gastar racionalmente dentro de casa. Segundo ela, as famílias brasileiras gastam até 20% mais do que deveriam nas contas do dia a dia. É aí que a economia deve ser feita.

Dayane ressalta a importância da consciência sobre todas as entradas e saídas de dinheiro do orçamento familiar. Apesar de parecer algo extremamente comum e necessário, muitas pessoas não tomam essa atitude com regularidade. Com isso, fica mais difícil manter o controle das finanças da casa.

“É preciso conhecer seus números, saber qual é a renda líquida de todos da família e como esse dinheiro é gasto. Uma faxina financeira, a partir da anotação das despesas durante 30 dias, caso os ganhos sejam fixos, ou 90, caso sejam irregulares, e entender todas as despesas para fazer os cortes possíveis”, explica.

A consultora afirma que, depois desse exercício, é preciso reunir toda a família para que, juntos, encontrem os locais onde é possível realizar mudanças no dia a dia doméstico que garantam diminuição dos gastos. Algumas decisões simples podem trazer mudanças significativas nas contas do dia a dia.

“Há muitos excessos nos gastos de energia elétrica, por exemplo. Basta pensar no tempo excessivo no chuveiro, nas luzes que são deixadas acesas e no tempo que a geladeira fica aberta. É preciso também repensar os gastos com o telefone. A ideia é dar preferência ao telefone fixo em vez do celular, que tem tarifas mais caros”, destaca.

Antes de ir ao supermercado, a família deve fazer uma lista de produtos necessários, evitando comprar coisas que não estejam anotadas. Outra recomendação é deixar as crianças em casa, já que elas podem convencer os pais a comprarem itens supérfluos. E, claro, a comparação de preços – em supermercados e outros estabelecimentos – não deve ser esquecida.

Para o consultor financeiro Reinaldo Domingos, é fundamental fazer com que toda a família esteja engajada. A economia doméstica, além de equilibrar as finanças, pode garantir a realização de sonhos de todos, e essa ideia deve ser compartilhada.

“Não devemos fazer uma reunião de corte de gastos, mas sim de projeções de ganhos e objetivos realizados. Também é importante perceber que na maioria das vezes a economia acontece nos pequenos gastos, e na maioria das vezes nem percebemos os excessos”, alerta.