enviar
Sua opinião

Dê sua opinião sobre a Revista. Ela poderá ser divulgada aqui e ainda se transformar em reportagem.

Indique seu livro

A Revista divulga livros de autoria dos participantes. Envie algumas informações pra gente.

Edição 193 Maio/2017

capa

Recuperação em ano difícil

Apesar da recessão, PREVI bate metas atuariais com alta na Bolsa e na renda fixa

Com a economia em forte queda e uma crise política de grandes proporções no país, o ano de 2016 foi turbulento. Ainda assim, a PREVI conseguiu bater suas metas atuariais e gerar resultado positivo. O bom desempenho reduziu o volume acumulado de déficit registrado no ano anterior e evitou que fosse preciso instituir contribuições extraordinárias para o Plano 1.

A recuperação foi puxada pela valorização da Bolsa e do segmento de renda fixa, as duas classes de ativos que respondem pela maior parte do patrimônio dos planos. O cenário de queda na inflação também ajudou a reduzir a pressão sobre o passivo dos planos. Com isso, os resultados ficaram bem acima da meta atuarial de 11,91% no período. Enquanto o Plano 1 teve uma rentabilidade de 15,03%, o PREVI Futuro rendeu 22,52%. “Para o Plano 1, foi o primeiro resultado superavitário no exercício desde 2012”, destaca Gueitiro Matsuo Genso, presidente da PREVI.

capa Gueitiro Genso.jpg

Trata-se de uma importante vitória diante de um cenário bastante adverso. Mais importante do que isso, no entanto, é que os números de 2016 mostram que o déficit de 2015 foi causado por problemas conjunturais momentâneos, e que os investimentos da PREVI são sólidos o suficiente para enfrentar os períodos de turbulência na economia. “Sempre defendemos que o desequilíbrio momentâneo não é um problema se você tem ativos com capacidade de recuperação”, diz Gueitiro. “O déficit acumulado será superado ao longo do tempo.”

Recorde em benefícios

Nesse contexto, é preciso destacar a importância do modelo de governança equilibrado e da qualidade de uma equipe técnica capaz de fazer a diferença e reforçar a confiança que os associados sempre depositaram na Entidade. Com pouco mais de 202 mil participantes e pensionistas no fim de 2016, a PREVI fechou o ano com R$ 170,6 bilhões em ativos totais. Isso representa pouco mais de 20% de todo o setor de previdência complementar fechada no país. O volume de benefícios PREVI pagos no ano passado mais uma vez bateu o recorde histórico, chegando a R$ 10,36 bilhões no total.

Esse número dá ideia do desafio que a Entidade tem pela frente, especialmente quando sabemos que o ápice de pagamento de benefícios do Plano 1 chegará nos próximos anos. Para isso, a aplicação correta das Políticas de Investimentos e o acompanhamento atento dos ativos em carteira são fundamentais. Assim como o esforço coletivo e criterioso de redução nas despesas administrativas.

Na prática, isso significou um orçamento de R$ 332 milhões, com realização de R$ 321 milhões, um aumento de 0,11% na comparação com as despesas de 2015. A variação ficou bem abaixo da inflação de 6,58% medida pelo INPC, o que mostra o esforço para contenção de gastos em todas as áreas da Instituição. “A cultura de controle de gastos está disseminada em todas as áreas da PREVI, e isso é uma vitória importante”, destaca a diretora de Administração, Cecília Garcez.

capa Cecilia Garcez.jpg

Mais transparência

O ano de 2016 também foi marcado pela busca por mais transparência. Os principais números da PREVI passaram a ser atualizados mensalmente no hotsite Resultados, permitindo que os participantes acompanhem mais de perto a evolução dos investimentos.

Também foram realizados eventos para os associados em 12 capitais, onde o presidente Gueitiro, acompanhado de outros diretores, apresentou pessoalmente aos participantes os resultados de 2015. Além disso, sempre que foi necessário, a PREVI se posicionou com clareza em seu site sobre questões relevantes.

O PREVI Itinerante, que tem o objetivo de promover atendimentos presenciais fora da sede, em eventos, encontros e reuniões de funcionários, esteve presente no Cinfaabb – Campeonato de Integração dos Funcionários Aposentados do Banco do Brasil, realizado em maio, em Cuiabá, e no Shopping Estação, em Curitiba, no mês de outubro. Foram realizados 1.255 atendimentos nesses locais, além de 222 inscrições na Capec e seis adesões ao PREVI Futuro, em Curitiba.

Tudo isso faz parte de uma crença de que os participantes têm o direito de se manter bem informados sobre os rumos da Instituição, e de que um relacionamento transparente e aberto com os associados é fundamental para o cumprimento da Missão de pagar benefícios de forma eficiente, segura e sustentável para toda a vida.

Controles ainda mais rigorosos

Os mecanismos de controles internos receberam especial atenção na PREVI, em 2016. O nível de exposição a risco de fraudes foi reavaliado, assim como os procedimentos em casos de emergência, os Planos de Resposta a Incidentes, Planos de Recuperação de Desastres e Planos de Continuidade Operacional.

Em função do relacionamento direto ou indireto com a administração pública, 12 gerências desenvolveram planos de ação em função de um mapeamento de exposição a riscos de corrupção. Entre os procedimentos adotados, destacaram-se a revisão dos processos de due diligence em investimentos e empresas participadas, inserção de cláusula anticorrupção em contratos e no regulamento de fundos e construção de uma trilha de treinamento sobre ética.

Também foi realizado o ciclo anual da Matriz de Riscos Operacionais, que apurou situações possíveis de risco de fraude em cada uma das gerências de acordo com seu perfil e natureza de processos. Em 2017, a matriz será usada em ações de mitigação desses riscos e de verificação dos controles existentes.

Novo modelo em Tecnologia

Em 2016, a PREVI concluiu a implantação de seu Novo Modelo Operacional de Tecnologia de Informação. O projeto, iniciado em 2015, serviu para atualizar os processos de governança e de atendimento de demandas. O novo modelo deve trazer mais produtividade, mais transparência no planejamento e acompanhamento das demandas e melhorias nos controles internos. Tais melhorias proporcionam mais eficiência e qualidade no atendimento aos associados.

A transformação tecnológica teve continuidade com o projeto de Modernização da Arquitetura de TI. Trata-se de um levantamento detalhado das necessidades de aprimoramento da PREVI na área de tecnologia, que serviu para definir o planejamento de iniciativas junto às áreas de negócios. Acreditamos que essa modernização é fundamental para o aumento da eficiência operacional e para a redução de custos em toda a organização. A nova arquitetura de TI proporcionará sistemas mais ágeis e maior interação com os associados.

Ativos totais da PREVI superam R$ 170 bi
Entidade possui mais de 200 mil associados e pensionistas

Mais Vistos

INDEX

Fale com a Redação