PREVI

Sala do Participante

Tecnologia

17/11/2016

Dependência de internet preocupa psicólogos

As pessoas passam cada vez mais tempo conectadas à internet. Muitos não conseguem ficar um dia sequer longe de computadores, smartphones, tablets e redes sociais.  Mas para tudo há um limite: o excesso pode significar dependência.

Psiquiatras e psicólogos afirmam que esse é um dos maiores desafios enfrentados na atualidade. O problema, que ainda não tem um diagnóstico oficialmente definido, se apresenta a partir do momento em que a pessoa não consegue controlar seu envolvimento com a rede, e há uma perda progressiva do domínio das próprias vontades e um aumento do desconforto emocional.

De acordo com o psicólogo Cristiano Nabuco, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas em São Paulo, as facilidades de acesso cada vez maiores fazem com que, muitas vezes, os pais permitam que os filhos usem essas ferramentas além do limite recomendado. Em alguns casos os computadores são usados como babás eletrônicas pelos pais, já que as crianças e adolescentes aparentam tranquilidade ao utilizá-los.

Segundo o especialista, pelo menos 10% das pessoas que usam computadores no dia a dia podem ser consideradas dependentes da internet. São aquelas que permanecem mais tempo conectadas do que deveriam, com problemas na família ou no trabalho por conta do uso excessivo, ou que mentem a respeito da quantidade de horas que ficam online.

Para chegar ao diagnóstico, Nabuco ainda avalia certas características. Preocupação excessiva com a internet, necessidade de aumentar o tempo conectado para estar satisfeito ou realizar esforços repetitivos para tentar diminuir o tempo de uso dos aparelhos são aspectos analisados. Irritabilidade ou depressão quando o acesso é restrito também é fator característico dos novos males.

"No Brasil o assunto ainda é muito novo. Na Coreia do Sul, por exemplo, já existem mais de 150 centros de tratamento para a dependência da internet”, comenta Nabuco.

O médico psiquiatra Jairo Werner afirma que o problema traz muitos riscos e deve ser levado a sério. Nos casos de algumas pessoas, a dependência de internet já pode ser comparável a outros tipos – como a dependência de drogas.

“A pessoa precisa desenvolver o autocontrole, principalmente quando a internet está causando deterioração de determinadas relações. Isso já constitui um problema. Existe uso, abuso e dependência. O abuso acontece quando a situação traz problemas e a dependência traz abstinência”, aponta.

Segundo Werner, é preciso estabelecer um tempo máximo de uso dos dispositivos e das redes. Quando deixamos de fazer coisas prazerosas para usar a internet, é sinal de que o problema existe. Além disso, algumas pessoas sofrem alteração de humor, ficando irritadas. Quando isso acontece, o limite do uso adequado já foi ultrapassado.

“Não podemos banalizar o problema e também não podemos nos render às tentações do comércio e da publicidade. Algumas pessoas acabam acreditando que não podem ficar sem determinados tipos de tecnologia, que estarão desvinculadas do contexto geral. É preciso estar atento para não ceder a esses apelos”, alerta.