Sala do Participante

Artes

13/12/2019

Geraldo Dias Cruz

Fale resumidamente sobre você: onde nasceu, onde vive, sua carreira no Banco do Brasil, se é aposentado ou ainda trabalha e outros fatos que deseja destacar.

Nasci dia 23 de maio de 1929, em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, mas atualmente moro na capital de Goiás, Goiânia. Estou aposentado, gosto de viajar e escrever poesia.

Ao escrever, quais assuntos e temas mais despertam seu interesse? Por quê?

Coisas simples, como a beleza da natureza, do cotidiano e da fugacidade da vida.

Em que você se inspira? Você se espelha em outros autores?

Carrego o mundo em minha cabeça, e o meu corpo está no mundo. Sou um operário da palavra e a minha luta corporal é com elas.

Que obras já lançou e sobre que temas se referem?

Poemas (Cuiabá: Igrejinha, 1955), Monchão-Coroado (Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1973), Armas do Tempo (Cuiabá: Edições Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT, 1975), Crepúsculo para a Paz (São Paulo: Editora do Escritor, 1977), Proclama aos Incautos (São Paulo: Editora do Escritor,1979; Menção Especial no Prêmio Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos, Goiânia/GO), Olhos Peixes Navegantes (São Paulo: Editora do Escritor, 1983), Rio dos Signos (Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1986; Prêmio Nacional Do Instituto Nacional do Livro – INL) entre outros.

Gostaria de destacar mais alguma informação?

O livro A poesia gritando em minha vida é um livro comemorativo dos meus 90 anos de vida. Ele foi celebrado em Trindade (GO), com a minha esposa Maria da Glória M. Vaz, o meu Divino Pai Eterno e o meu venerável Pe. Pelágio. É preciso cantar e louvar o Senhor. Ele escuta a minha voz, e chega a Seus ouvidos a minha poesia, que é tudo o que tenho e preciso. São mais de 70 anos como operário da palavra.

Como ter acesso às suas obras?

Minhas obras podem ser adquiridas pela internet e em livrarias, como a Travessa.