Sala do Participante

Fabio Correia dos Santos

03/08/2018

Fabio Correia dos Santos

O escritor Fabio Correia dos Santos é funcionário do Banco do Brasil na agência da cidade de Jaci, interior de São Paulo. Se dedica a escrever sobre os perigos das fake news (notícias falsas) e acredita que o país pode investir mais em sustentabilidade e no turismo. “Ao meu ver, pouco explorado no Brasil” diz o escritor.

Fale resumidamente sobre você: onde nasceu, onde vive, sua carreira no Banco do Brasil e outros fatos que deseja destacar.

Sou escritor, funcionário BB da agência 6916-7 Jaci, SP. Fui menor, auxiliar de serviços gerais no BB e estagiário no Cesec e na Telesp. Ex-funcionário Esso Brasileira Petróleo, multinacional americana afiliada a Exxon. Também trabalhei na multinacional espanhola Repsol YPF Distribuidora e na brasileira AleSat Combustíveis. Estou prestes a publicar o livro Piratas do Paranoá, por meio da editora Scortecci, de São Paulo.

Como surgiu a literatura em sua vida?

Surgiu da necessidade em compartilhar a verdade dos fatos e de estimular o diálogo e a pesquisa sobre a informação correta. A necessidade de orientar as pessoas para o bem, como, por exemplo, destinar recursos do imposto de renda para instituições com projetos sociais.

Em que você se inspira? Você se espelha em outros autores?

A necessidade de mais investimentos na educação de qualidade. E na oportunidade que temos de realizar uma faxina nas próximas eleições de 2018 e 2020.

Ao escrever, quais assuntos e temas mais despertam seu interesse? Por quê?

O assunto do momento é a corrupção.

Que obras já lançou e sobre que temas se referem?

Temas: O valor e a importância da informação correta, o perigo das fake news. A própria história do Banco do Brasil que se confunde com a história do país.

Está trabalhando em alguma nova obra? Tem alguma previsão de lançamento?

Estou trabalhando em uma trilogia chamada Pirataria: Piratas do rio Tibre, de Roma, que trata da corrupção no Vaticano. Piratas do Potomac, nos EUA, e Piratas do rio Tâmisa, de Londres.

Qual a importância do trabalho criativo em sua vida? O que você busca com suas obras?

O alvo são formadores de opinião, jovens estudantes, universitários, corpo docente e profissionais liberais. Estimulando a reflexão e a pesquisa da informação correta.

Recomenda a outros colegas que se dediquem a esse tipo de atividade? Por quê?

Sim. Temos muitos assuntos para debater e esclarecer. Por exemplo, a possibilidade de mudarmos o rumo da economia através da sustentabilidade e do maior incentivo ao turismo. Ao meu ver, pouco explorado no Brasil.

Como ter acesso a suas obras?

A obra será publicada na forma impressa e também na forma digital, E-book, e estará disponível no site da editora Scortecci e das principais redes de livraria do país.