Sala do Participante

Primo José Arneiro tem um sonho: a fotografia

27/07/2015

Primo José Arneiro tem um sonho: a fotografia

Casado há 25 anos com Luciana da Silva Arneiro e pai de três filhos: Vinicius (23 anos), Leonardo (15 anos) e Henrique (13 anos), Primo José Colli Arneiro entrou no Banco do Brasil ainda como menor aprendiz, em 1981, na cidade de Cascavel (PR). Em 1988, passou em um concurso, assumindo seu posto junto ao banco. Graças ao trabalho, conheceu os Estados da Bahia e do Paraná e a cidade de Brasília, onde reside há 13 anos.
 
Arneiro possui uma paixão desde a infância: a fotografia. “Eu comprava aquelas máquinas descartáveis e ficava tirando fotos. Apesar do pouco conhecimento, sempre tirava fotos com qualquer tipo de máquina fotográfica que aparecia”, relembra.
 
Com dois irmãos mais velhos fotógrafos profissionais, Arneiro teve todo estímulo de que precisava. “Comprei um equipamento um pouco melhor e comecei a praticar. Fiz vários cursos online e por correspondência. Pedia dicas para amigos fotógrafos, conversava com meus irmãos e, assim, comecei a fazer fotografia com um padrão um pouco melhor”, conta. Além do apoio da família e dos amigos, Primo se inspira em trabalhos de alguns fotógrafos profissionais, como Carla Belke e Kazuo Okubo, para evoluir e melhorar os registros fotográficos sempre.
 
Ele não pratica fotografia para ganhar dinheiro, mas sonha em fazer uma exposição de seus trabalhos. Abordado sobre o assunto, reforça a necessidade de fazer o que gosta, principalmente depois da aposentadoria: “Acho que quando a pessoa tem mais de 50 anos de idade, nada mais gostoso do que fazer o que gosta. Se tem algum hobbie, alguma atividade pela qual é apaixonada, tem que correr atrás. Eu vou fazer um curso com um fotógrafo aqui de Brasília porque quero trabalhar profissionalmente nessa área depois que sair do Banco e quero fazer isso já especializado”, detalha.
 
Um pensamento de Arneiro deixa uma lição importante: “Não é só porque a pessoa se aposentou ou porque já é cinquentona que vai parar de fazer uma atividade ou alguma profissão que gosta. Depois que você se aposenta, muitas vezes já está em um patamar que não precisa mais trabalhar por necessidade, mas sim porque gosta. Aí tem que correr atrás! Já que vai ter tempo, tem que realizar o sonho”, estimula.
 
Existe algo que sempre sonhou em fazer, mas nunca conseguiu dedicar tempo para realizar? Está próximo da aposentadoria? Aproveite a dica de Primo José Arneiro: corra atrás daquilo que realmente gosta e viva sua aposentadoria realizando esses sonhos.
 
Para conhecer mais fotografias de Arneiro, vale acessar o site e o Facebook do fotógrafo. Quem quiser entrar em contato com ele também pode utilizar o e-mail: plvlu@uol.com.br
 

Galeria de fotos