Sala do Participante

Voluntariado

21/11/2005

Marlene Barros

Crianças em situação de miserabilidade e risco social encontram apoio na Instituição Lar de Caridade Paulo de Tarso, localizada em Recife, Pernambuco. O abrigo assiste 15 crianças, entre dois e nove anos, encontradas nas ruas ou vítimas de maus-tratos. Todos os meninos e meninas residentes na instituição são encaminhados pelo Conselho Tutelar ou Juizado da Infância e da Juventude da capital.

A tesoureira da instituição, Marlene Barros, 54 anos, que por 26 anos trabalhou no Banco do Brasil, conta que o abrigo serve como residência até a criança poder retornar à família de origem ou, quando o retorno não for possível, ser inserida numa substituta. "Cuidamos das crianças até que elas possam ser reinseridas no ambiente familiar. Elas passam a levar uma vida normal, como se estivessem numa casa feliz e segura", completa Barros.

Fazem parte da equipe uma assistente social, uma psicóloga e uma professora, que desenvolve atividades pedagógicas visando preparar as crianças não-alfabetizadas para ingressar na escola. A meninada a partir de 6 anos passa um turno na escola. No período oposto, assiste a filmes, brinca e participa de atividades lúdicas aplicadas por voluntários. A equipe promove festa para os aniversariantes do mês, celebra datas comemorativas e organiza passeios a museus, teatros e praias.

Barros informa que há cinco anos o abrigo, fundado em maio de 1991, passou por dificuldades para continuar funcionando. "A antiga administração não estava conseguindo mantê-lo", conta Barros. Para impedir que o local fosse fechado, deixando diversas crianças sem assistência, um grupo de voluntários, organizado pela aposentada Bernadete Queiroz, 58 anos, que por mais de 20 anos trabalhou no Banco do Brasil, se uniu em prol da instituição.

"Antes de ser presidente do abrigo, fazia visitas mensais a instituições filantrópicas da cidade, entre elas a Paulo de Tarso. Quando fui convidada para assumir a direção, fiquei com medo pois achava que não teria condições de mantê-lo. Nesses quatro anos, enfrentamos dificuldades, mas não deixamos de pagar nenhuma das contas", informa, acrescentando que o lar é mantido com as mensalidades pagas pelos diretores, voluntários e ainda por doações do Comitê de Cidadania dos Funcionários do Banco do Brasil de Recife e outros parceiros.

Queiroz conta quais os planos para a instituição. "Estamos trabalhando para comprar uma casa própria. Esperamos que até dezembro de 2007 possamos nos mudar, mas para isso precisamos de mais parceiros. Pensamos em aumentar o número de crianças para no máximo 25, permitindo que todas tenham o espaço, a atenção e o carinho necessários", finaliza.

Mais informações através do telefone (81) 3471-0919 ou pelo e-mail larpaulodetarso@yahoo.com.br.