• Notícias e Publicações
  • Sala de Imprensa
  • Fale Conosco
  • Ouvidoria
  • Recadastramento
  • Previ in English

Sala do Participante

Vera Lucia Engelke

06/02/2019

Vera Lucia Engelke

Vera Lucia faz parte de um trabalho voluntário com crianças e adolescentes. Depois da aposentadoria, a atividade que Vera exerce há oito anos é contar estórias em todas as escolas municipais, urbanas e rurais de seu município, Catanduva (PR). Anualmente, mais de mil crianças e adolescentes são atendidas pelo projeto. Para ela, o trabalho é extremamente gratificante porque as mudanças de comportamento são visíveis após o compartilhamento das mensagens.

Por que você resolveu fazer/apoiar esse projeto?
Era uma necessidade da comunidade. Valores morais estão desaparecendo. Respeito, afeto e carinho precisam ser ensinados. Comecei com uma escola e com o passar do tempo todas foram pedindo para que eu fosse. Tenho contado estórias também para o pessoal do clube da terceira idade e crianças de escolas estaduais do sexto ao nono ano.

Qual a importância desse projeto para você?
Representa um dos motivos para acordar feliz todos os dias.

Qual a importância desse projeto para as pessoas beneficiadas?
Isso elas responderiam melhor que eu, mas, se em algum momento da vida delas, em alguma dificuldade, lembrarem de alguma estorinha que irá acalentar seus corações, seria de grande valia.

Resumidamente, como funciona o projeto?
Vou às terças e quintas alternadamente em todas as escolas. Isso representa uma vez por mês em cada escola. Existe um tempo reservado para contar estórias. Os alunos maiores reproduzem em um caderno o que ouviram e absorveram. As estórias são para crianças a partir de dois anos. Não tenho nenhum apoio financeiro de qualquer lugar. O trabalho exige dedicação e cuidado com o que é repassado, pois a criança absorve as mensagens inteiramente. Conto com o apoio de toda a comunidade e o amor de todas as crianças.

É possível a participação voluntária de outras pessoas no projeto? 
É possível sim. Gostaria que mais pessoas se interessassem.

O que mais você gostaria de destacar?
O que sempre peço a eles: para que contem a alguém as estórias que ouvem.