Soluções para Você

Conheça o produto

A Carim é a Carteira de Financiamentos Imobiliários da Previ. Lançada em 1936, fechada em 1995 e reaberta em 2007, já beneficiou milhares de participantes.

Na Carim só são aceitos financiamentos de imóveis residenciais, novos ou usados, de alvenaria e em boas condições de conservação. Os imóveis precisam estar situados em regiões urbanas, com obras concluídas e devidamente averbados no Registro de Imóveis. Também é necessário que a situação documental esteja regular, sem gravames ou ônus reais. 

Saiba mais sobre o financiamento que a Previ oferece a você.

Carim - Novos Financiamentos

  • Valor do financiamento: até 100% do valor de avaliação do imóvel. 
  • Prestação inicial (comprometimento de renda): até 20% da renda bruta/ benefício bruto ou a margem concessão de financiamento imobiliário do participante, o que for menor. A margem para contratação do financiamento imobiliário tem o valor equivalente a 30% da remuneração disponível, que corresponde à diferença entre a renda bruta e as consignações obrigatórias, subtraídas as consignações já existentes de Empréstimo Simples e de Financiamento Imobiliário.
  • Prazo: de 36 meses (3 anos) a 420 meses (35 anos). Limitação: idade + prazo = 85 anos.
  • Atualização do saldo devedor: mensal.
  • Recálculo das prestações: mensal, considerando o saldo devedor e o prazo restante.
  • Limitação das prestações durante o financiamento: 30% dos proventos brutos/total dos benefícios.
  • Índice de atualização do saldo devedor: índice atuarial (INPC) com defasagem de 02 meses.
  • Taxa de juros: taxa equivalente aos juros atuariais do Plano de Benefícios do participante.

Observação:

Poderão ser utilizados recursos do FGTS em complemento ao valor do financiamento, respeitadas as regras estabelecidas pelo SFH.

Importante:

Conforme o período em que foi feita a aquisição do imóvel, os contratos estão enquadrados em modalidades diferentes. Caso já seja um mutuário da Carim, veja em que situação seu contrato está inserido.

Veja os contratos antigos:

CIM - Carteira Imobiliária - Contratos lavrados até 1988


- Prazo máximo de 360 meses

- A prestação e o saldo devedor são atualizados pelo indexador da caderneta de poupança (TR), exclusive juros.

- O período de apuração dos índices é de setembro do ano anterior a agosto do ano vigente. O percentual incide sobre os valores existentes em 30/11 de cada ano e são aplicados ao contrato a partir de 1/12.

Os mutuários podem utilizar o Empréstimo Simples - ES-Finimob na liquidação do financiamento imobiliário.

Carim - Uso do FGTS


Tire dúvidas sobre a liberação do FGTS


1 - Qual a duração do convênio firmado entre PREVI e CAIXA?


O convênio está vigente até 31 de dezembro de 2014. Deve ser observado o cronograma de solicitação de saques do FGTS e de contratações da CAIXA.


2 - Qual a finalidade do convênio?


Beneficiar os mutuários da Carim, possibilitando a liquidação antecipada dos financiamentos imobiliários com recursos do FGTS.


3 - É possível usar esses recursos para amortizar o financiamento?


Não.


4 - Quais as condições que devem ser inicialmente observadas?


Tanto a pessoa quanto o imóvel devem atender às condições do SFH e às normas previstas para utilização dos recursos da conta vinculada do FGTS para liquidação do financiamento. Essas regras devem ser informadas pela CAIXA. Todo o processo é conduzido pela CAIXA e não cabe à PREVI a análise de documentos apresentados, nem a aprovação da operação.


5 - Como posso saber meu saldo devedor?


No Autoatendimento do site PREVI ou da Central 0800 729 0505. Para isso, é preciso ter senha. Caso seja necessário obter uma nova senha, acesse o Autoatendimento e clique em "Cadastrar senha", abaixo do campo "Senha", no lado esquerdo da tela. Ou ligue para o 0800, digite a matrícula, tecle estrela (asterisco) e inicie o processo de cadastramento.


6 - E o saldo da conta vinculada do FGTS?


Nas agências da CAIXA ou no site www.caixa.gov.br.


7 - De posse dessas informações, qual é o próximo passo?


Ir a uma agência da CAIXA e solicitar a relação dos documentos e dos formulários relativos ao convênio PREVI x CAIXA, bem como as orientações quanto aos procedimentos em geral.


8 - Existe algum custo extra para o mutuário?


Sim. A CAIXA cobrará do mutuário a TAC (Taxa de Abertura de Crédito), que corresponde a 1% do saldo de liquidação. Na entrega da documentação para análise, é cobrada a primeira parcela de R$ 200,00 (valor mínimo da TAC). Se for o caso, a complementação será cobrada quando o mutuário assinar o contrato.


9 - E o que o mutuário deve fazer se o saldo devedor for maior do que o saldo da conta vinculada do FGTS?

O mutuário deve dispor de outros recursos para quitar o financiamento (veja matéria sobre o Empréstimo Simples Finimob) e amortizar, na PREVI, o valor que seja suficiente para tornar o saldo devedor de seu contrato menor ou igual ao saldo no FGTS.


10 - Se a operação com a CAIXA não se concretizar, será devolvido o valor amortizado?


Não, em nenhuma hipótese será devolvido o valor da amortização. Desta forma, o mutuário deve aguardar a aprovação da documentação entregue à CAIXA para fazer a amortização do saldo devedor.


11 - E se o saldo devedor for superior à avaliação a ser feita pela CAIXA?


Devem ser observados os mesmos procedimentos descritos na pergunta anterior.


12 - Como e quando se deve efetuar a amortização?


A amortização deve ser efetuada por meio de agendamento prévio via Central de Atendimento (0800 729 0505) com no mínimo sete dias úteis antes da data da assinatura da escritura na CAIXA. Apenas o saldo devedor informado para a CAIXA é sensibilizado pelo valor amortizado. Esse valor fica bloqueado, aguardando a liberação dos recursos do FGTS pela CAIXA.


13 - O que deve ser feito após a CAIXA autorizar o mutuário a utilizar os recursos do FGTS?


O mutuário, de comum acordo com a CAIXA, deve escolher a data, dentre as previstas no cronograma, para resgatar o FGTS e assinar o contrato. O mutuário deverá acessar o Auto-atendimento do site da PREVI para gerar documento oficial com o saldo devedor. Esse documento precisa ser entregue na CAIXA no terceiro dia útil anterior à data escolhida para o resgate do Fundo de Garantia e da assinatura do contrato.


14 - Quando o documento oficial com o saldo para liquidação deve ser gerado?


Ele deverá ser gerado pelo menos três dias úteis antes da data escolhida para operação na CAIXA, observado o prazo necessário para amortização do saldo devedor (veja pergunta 11).


15 - Quando pode ser feito o resgate do FGTS?


R: Nas datas abaixo, determinadas pela CAIXA.


Mês de assinatura Solicitação do FGTS Assinatura do contrato (OBRIGATORIAMENTE na mesma data do ressarcimento do recurso da CV do FGTS)
  Início Fim Início Fim
janeiro/2013 10 18

15

23
fevereiro/2013 14 20 19 25
março/2013 11 19 14 22
abril/2013 10 19 15 24
maio/2013 10 21 15 24
junho/2013 10 20 13 25
julho/2013 10 22 15 25
agosto/2013 12 20 15 23
setembro/2013 10 20 13 25
outubro/2013 10 21 15 24
novembro/2013 11 20 14 25
dezembro/2013 10 18 13 23

 

16 - O que acontece com o contrato da Carim depois que o documento oficial é gerado?


O saldo para consulta fica bloqueado. As prestações permanecem sendo cobradas e o saldo devedor corrigido. O mutuário fica impedido de realizar amortizações, operação de substituição de garantia e liquidação com recursos próprios. As prestações cobradas durante o período decorrido entre assinatura da escritura e a liberação dos recursos pela Caixa serão devolvidas ao mutuário corrigidas pelo mesmo índice de evolução do contrato. Salvo nos casos de utilização de recursos do Empréstimo Simples Finimob, quando a devolução das prestações corrigidas irá amortizar o saldo devedor do ES - Finimob.


17 - Quando o financiamento da Carim é liquidado?


O financiamento será liquidado após o repasse dos recursos do FGTS para a PREVI, com a data de assinatura do contrato com a CAIXA.


18 - Quando a Caixa repassa os recursos para a PREVI?


A liberação dos recursos ocorre após a Caixa receber o registro da operação no Cartório de Registro de Imóveis e desde que já tenham se passado, no mínimo, 90 dias da data da assinatura do contrato na Caixa.